quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Faça o que eu digo, não o que eu fiz

Jovem, seja exemplo!

Sou jovem, tenho 22 anos, sou cristã e tento seguir o melhor caminho para mim, mas nem sempre consigo. Já namorei, desnamorei... me apaixone (e como), me iludi, vivi, aprendi, cresci... e amadureci.
Estou recém separada. Assim que me sinto, termei um noivado de um relacionamento de 4 anos de muito amor e ‘quase’ casamento. Estou bem, confesso que ainda catando os retalhos do meu coração, mas bem e certa do que fiz.
Esses dias conversando com um amigo, de 16 aninhos tentei dar alguns conselhos para ele, embora eu saiba que ele não os colocará em prática. Me senti na obrigação de alertá-lo, sei que as palavras não voltam vazias! Ele é novinho, muita vida pela frente, é homem... não deve se preocupar tanto em namorar e sim pensar na vida profissional, nos estudos. Mas e os hormônios, onde ficam? É... esses são mesmo difíceis de controlar, por isso digo faça o que eu digo, não o que eu fiz...
Não me arrependo, mas se eu tivesse a idade dele tereia escolhido não namorar tão cedo... eu ia me casar aos 18 anos, isso é realmente preocupante. Hoje com 22, quase 23 agradeço a Deus por não ter me precipitado tanto! Ufa, que alívio!
Quando falo isso, é justamente porque sei que na religião que escolhemos seguir, o casamento é um grade próposito de vida e aos 16 anos não vamos pensar em casamento, né? Por isso as vezes é mais fácil evitar namorar ou se envolver com alguém do que deixar acontecer. Falar isso para um adolescente é a mesma coisa que xingá-lo, se eu não fiz isso eles também não irão. Embora, exista quem pense assim e se guarde para namorar no momento certo.
Com a maturidade que tenho hoje, eu sei que seria melhor para mim, porque cada pessoa que me envolvi entreguei parte de mim, do meu coração. Gostei mais do que gostaram de mim... fui muito rejeitada e confesso, me recupero da última rejeição até hoje, sem nenhuma vergonha, apenas com alguns cacos no coração.
Li há um tempo um texto perfeito, tentei proucurá-lo na internet, mas não o encontrei. Ele relatava a história de um casal de namorados, se preparando para casar e ela teve um sonho. No dia do casamento deles, na hora do sim, se formou uma fila de meninas atrás dela para ouvir dele o mesmo sim. O que isso significa? Todas as meninas que ele prometeu amor, se envolveu, magoou e deixou. Cada relacionamento que consumamos, parte de nós vai junto e aos 16 anos até os 26, idade aproximada de se casar, podemos nos  envolver com muitas pessoas.

3 comentários:

  1. Se também me permite um conselho, não fale de amadurecimento próprio. Ele nunca chega de verdade. A gente só aprende coisas, dia após dia, quando quer mesmo aprender, mas amadurecimento, de verdade, só as frutas, meu bem. E mesmo assim, quando acontece, elas despencam e se esborracham no chão.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Certíssima... mas quando falo de amadurecimento, não que eu esteja assim, mas é um termo representativo para falar que vivi um pouco mais, que cresci um pouco... apenas isso! =D

    ResponderExcluir

Seu comentário é de suma importância. Ele será exibido após minha aprovação. Obrigada. Volte sempre. Thayra Azevedo