sábado, 20 de junho de 2009

Sorria, meu bem

*por Roberta Faria
Há tantos tipos de sorriso quanto de emoções. A gargalhada inesperada, que faz engasgar e sair o refrigerante pelo nariz (e depois gargalhar mais ainda pelo vexame). Risada de fazer lágrimas, queimar a barriga e torcer as pernas para não soltar a bexiga. Tem aquele risinho nervoso, de frio na barriga e vergonha, que dá em montanharussa e nos segundos antes de subir no palco. Tem o riso histérico também, meio grito, meio louco, meio bruxa má do leste. E riso de escárnio, debochado, de quem queria mesmo era estar chutando a canela. Tem quem ria chorando, no fim de filmes felizes (ou quando, apesar da desgraça, ufa, ainda sobrou uma piada). E sorriso sedutor, dado com o melhor ângulo e lançado com as pestanas meio baixas. Tem acesso de riso, que começa de bobeira, pega um, pega outro, e de repente todo mundo está se contorcendo. Sorriso amarelo para as ocasiões sem graça. O apaixonado, que vem suspirando. Sorriso só lábios esticados para as coisas simpáticas. Tem quem ria com os olhos, mesmo que a boca finja não achar graça. E o sorriso a contragosto, quando a vontade é de fazer bico? Tem risadinha de quem fez bobagem. Bom mesmo é riso aberto, largo, com todos os dentes, felicidade pura, um riso assim, de dentro pra fora. E tem sorriso assim, simples, desses que acompanham palavras (de oi, obrigada, tchau) ou despertam por uma música, uma paisagem, um gosto bom – nada de engraçado, a graça está é no jeito de a gente olhar. Mais variados do que os sorrisos, só os motivos para rir.
*Originalmente publicado no http://revistasorria.com.br/blog_sorria/

Um comentário:

  1. Oi minha linda!
    Recebi seu recadinho e fiquei muito feliz.
    Vc é muito especial.
    Lindo o seu blog.
    Beijos. Genis.

    ResponderExcluir

Seu comentário é de suma importância. Ele será exibido após minha aprovação. Obrigada. Volte sempre. Thayra Azevedo